quinta-feira, 7 de julho de 2011

Beira rio


Trazia consigo um banquinho de madeira que colocava à beira do rio, mais ou menos na mesma posição, a alguns centímetros da água.

Não pescava nem atirava pedras para não interferir no curso do querido companheiro. Ali, apenas depositava suas esperanças e as via fluir leito abaixo para que um dia, quem sabe, servisse de mar para outros menos afortunados.

Cumpria com sua rotina com disciplina invejável e com o rigor dos mais sérios dos compromissos.

Até que um dia se viu abandonado pelo nobre amigo, sem aviso prévio, sem argumentação.

Não abdicou do direito de estar ali, quando o desejado retorno se materializasse.

Com as pernas esticadas, repousava os calcanhares na lama quase seca do antigo leito.

Assim ficou até que o mato surgisse por entre as fendas ressecadas do chão torrado.

Por fim o céu tornou a escurecer. Os roncos ecoavam pelo vale. As pedras talhadas por carícias de águas antigas exibiam o musgo marrom que já sentiam os primeiros respingos.

A princípio tímido e fino, mas reclamando a imponência foi reganhando seu curso, arrebatando folhas e galhos secos, separando as margens, fluindo para o reencontro.   

Porém, quando retornou já não era o mesmo rio, tampouco as esperanças pertenciam ao mesmo homem.

 Prometeu a si mesmo nunca mais se ausentar.

Novo, purificado. Ora raso, ora profundo. Ruma por que tem que seguir adiante. Desemboca onde será bebido. Por gargantas sedentas ávidas por alívio. Por paisagens carentes de tinta. Por criaturas munidas de saudades.